TREINAMENTOS 3D - Cursos online de maquete eletrônica, A Dolmen Treinamentos é uma empresa especializada em cursos 3D com foco principal a criação de cursos online na área de maquete eletrônica que visa extrair o máximo do aluno para que ele se torne um profissional de alto nível pronto para o mercado de trabalho., Maquete Eletrônica X Realidade
Carrinho - R$0,00
Informações: (14) 998790368
Maquete Eletrônica X Realidade

Maquete Eletrônica X Realidade

Hoje vou falar de um assunto que tem sido um fator muito buscado por profissionais na área de 3D, o realismo. Quando iniciei na área de maquete eletrônica em 1998 não existia essa busca pelo realismo como acontece hoje, até porque tudo era uma novidade e não existiam ferramentas que nos dessem condições para conseguir tamanha riqueza de detalhes, então qualquer que fosse o resultado alcançado já era visto como algo sensacional.
O tempo foi passando, os softwares e máquinas evoluindo e começaram a aparecer os plugins de render. Foram muitos que apareceram, mas o que teve maior destaque e que continua sendo o carro chefe quando se trata de realismo em maquete eletrônica foi o VRay.
Com esse renderizador foi possível melhorar a qualidade das imagens e conseguir o tão sonhado realismo. Tudo isso alinhado a vários outros fatores, como a pós produção por exemplo.
Uma das coisas que facilitaram esse avanço na qualidade das imagens é a facilidade de trabalhar com o VRay, porém muitos estacionam em um patamar de qualidade e não conseguem avançar para o realismo. Isso acontece porque não é só uma configuração de render que vai fazer com que o artista consiga tal resultado.
Tenho certeza que muitos de vocês que estão lendo esse artigo já pegaram uma cena pronta de alguém ou até mesmo da Evermotion e colocaram as configurações dela em um arquivo próprio. Tenho certeza também que o resultado alcançado não foi nem de perto da cena que foi copiada as configurações. Isso prova que para conseguir realismo não basta a configuração usada.
O realismo envolve muitas coisas e vou citar algumas para que vocês comecem a observar e colocar em prática.
Modelagem - Muitas pessoas não dão muita atenção para essa parte por talvez ser a parte chata do trabalho. Pois é aí que está um grande erro. Quanto mais detalhada for a sua modelagem, melhor vai ser o comportamento de luz e sombra e com isso maior riqueza de detalhes você vai ter na sua cena. Não tenha preguiça de caprichar na modelagem, coloque todos os detalhes possíveis e trabalhe ao máximo em cima dela.
Câmera - Essa é uma das etapas que mais irá fazer diferença no resultado final. Existem várias regras de fotografia que são colocadas em prática na hora de setar a câmera, tanto na questão de balanceamento de configurações, proporção, entre vários outros. Minha dica aqui é que você estude o máximo sobre fotografia e entenda o funcionamento de uma câmera real para que possa passar todo esse conhecimento para sua imagem.
Iluminação - Essa é uma etapa onde a observação é muito importante. Experimente analisar o comportamento da luz e sombra em fotografias para ter referências de como trabalhar a sua iluminação. É muito importante conhecer a fundo o comportamento das luzes do VRay para conseguir o resultado esperado. O uso dos tipos Sun/Sky e Dome/HDRI tem que ser estudados a fundo para que os resultados tenham realismo nessa parte.
Render - São diversas as combinações de configurações de render que temos dentro do VRay. O que realmente é importante é que você conheça a fundo os parâmetros para que assim consiga o máximo de qualidade com o menor tempo de render possível. Muitos se enganam ao pensar que para ter qualidade no render basta extrapolar os valores dos parâmetros. Isso é um erro causado pela falta de conhecimento e por muitas vezes por utilizar configurações de cenas prontas ou por seguir tutoriais sem fundamento. O balanceamento dos parâmetros é de extrema importância para conseguir qualidade de render sem ter que esperar horas. Minha dica sobre configuração é que você estude o LWF (Linear workflow), que é ao meu ver a configuração mais adequada para qualquer tipo de trabalho, tanto no próprio render como para realizar a pós produção. Estude também os Elements do VRay que serão muito importantes na pós produção.
Materiais - Essa parte do trabalho, assim como as outras, tem suma importância no resultado final. Aprenda a criar os canais de bump, reflect, glossiness e displace para ter realismo nas suas texturas. Outros fatores importantes são o uso de texturas de qualidade e com resolução alta, tentar ao máximo retirar repetições das texturas e saber como utilizar reflexos e glossiness de maneira correta pois se observarmos, praticamente todos os materiais reais possuem essas propriedades. Talvez essa etapa seja a que mais necessite de testes na hora do render e preste muita atenção a todos os detalhes para que nada fique sem a definição correta.
Pós produção - Depois do render pronto é muito importante a criação dos Elements do VRay para que você consiga trabalhar ao máximo a sua imagem em todos os seus detalhes. A pós produção é onde conseguimos ajustar todos os detalhes da cena para que consigamos o tão esperado realismo. Na verdade é o conjunto de todas essas etapas que fará sua imagem ser o mais real possível. Existem muitos artistas que fazem o render bem cru e realizam praticamente tudo na pós. É uma questão de conhecimento aprofundado e uma biblioteca enorme de materiais no geral para conseguir o resultado com essa técnica. A criação de efeitos é uma etapa muito utilizada na pós já que assim conseguimos resultados até melhores do que no render sem a necessidade de esperar horas para que o processo de render finalize. Para isso existem diversos plugins que facilitam demais a criação desses efeitos.
A seqüência que descrevi é a mesma para qualquer imagem que você for fazer, porém para alcançar esse realismo o artista precisa de um pouco mais de observação e conhecimento aprofundado desses temas para conseguir o resultado esperado.
Uma dica que posso dar e que eu utilizo com meus alunos seria que, antes de tentar fazer uma imagem desse tipo, pegar fotos e tentar reproduzi-las com o máximo de fidelidade, assim a parte de observação vai ficando cada vez mais aguçada até chegar ao ponto de transferir esse conhecimento para uma imagem autoral.
Comece com coisas simples, poucos objetos, poucos efeitos e de fácil compreensão. Conforme você for conseguindo a reprodução, vá complicando para que seja forçado cada vez mais a elevar o seu nível.
Esse exercício realmente funciona e vejo uma grande evolução nos trabalhos dos alunos após passarem por esses testes.
Acredito que esses são os fatores mais importantes no que se refere a realismo em 3D. O grande lance é realmente começar a exercitar isso e buscar o máximo de informações e conhecimento para que cada vez mais você consiga evoluir em seu trabalho!
Abaixo deixo algumas imagens de artistas que servirão de inspiração.
Eu adoraria saber a sua opinião sobre nosso tema de hoje “Maquete Eletrônica x Realidade” através de um comentário logo aqui abaixo.
E caso ele tenha sido útil para você, aproveite para compartilhá-lo com um amigo ou amiga que precise de dicas como essas para deixarem suas imagens com o aspecto foto realístico.
Até a próxima.

25 Comments

Fernando Padão
posted on 11 de março de 2015 Responder

Oi Alan, não foi à toa que escolhi seu curso para aprender a usar o Max+ V-Ray+ Photoshop.
Seu método é muito bom, tudo bem explicado e conhecimento não lhe falta. Este material, apesar de já ter ouvido em suas aulas, é bem vindo. Vem reforçar meu foco.
Obrigado.

Alan Matos
posted on 11 de março de 2015 Responder

Muito obrigado pelas palavras Padão!! É um prazer ter alunos como você, que sempre buscam conhecimento para evoluir e que tem dedicação para isso!! Abração!!

soujohn
posted on 11 de março de 2015 Responder

De fato, essa sequência realmente funciona.
Muita gente sabe a sequência mais aplica errado por algum motivo. Não adianta querer burlar a ordem.
E como o Padão falou, não foi à toa mesmo que escolhemos você.
Todas as suas dicas e todas as explicações muito bem dadas me fizeram ter um olhar muito mais crítico para todos os meus trabalhos hoje.
Obrigado mais uma vez e ótimo conteúdo. (Como sempre)!!

Alan Matos
posted on 11 de março de 2015 Responder

Muito obrigado João!!!! É um prazer compartilhar conhecimento com vcs!! Abração!!!

Marília
posted on 11 de março de 2015 Responder

Parabéns pelo profissional maravilhoso que você é! Além de contribuir na capacitação de outros profissionais, você também compartilha seu conhecimento!
Adorei o artigo! Sucesso!!!

Alan Matos
posted on 11 de março de 2015 Responder

Muito obrigado pelas palavras Marília!!! São comentários como o seu que me motivam cada vez mais a ir em frente!!!

Mário
posted on 12 de março de 2015 Responder

Achei muito boa sua descrição. Admiro um trabalho realista que tenha manchas, que tenha uma ferrugem, ou que apenas mostre que o objeto não é um objeto limpo e perfeito.

Parabéns e obrigado!

Alan Matos
posted on 12 de março de 2015 Responder

Muito obrigado Mário!! Com certeza é admirável trabalhos desse tipo. A parte de texturas bem feitas faz realmente a diferença no resultado final!! Abraço!!

Bruno Flausino
posted on 12 de março de 2015 Responder

Eu faço 3d a muito tempo mais só agora eu vejo a necessidade de saber de fato usar as ferramentas… É comum ver o pessoal usando arquivos de configurações de render pronto… Eu mesmo sempre usei, talvez isso seja o maior problema … Criamos o vício de usar.. Muito bacana o texto faz pensar que para conseguir o realismo é talvez mais simples quando se aprende as ferramentas de verdade.. Basta ter vontade e como o Alan diz para muita coisa não existe receita pronta… Show de bola

Alan Matos
posted on 12 de março de 2015 Responder

Com certeza Bruno!! Não existe receita pronta… Se existisse uma configuração inteira pronta que desse o resultado real seria muito fácil e qualquer artista conseguiria o resultado né… O conhecimento das ferramentas é o que faz a diferença!!! Abraço!!!

Marcio
posted on 12 de março de 2015 Responder

Alan, como sempre ajudando e compartilhando seu conhecimento e experiência.
Eu estou atualmente nessa fase “estagnada” da qualidade. Tive certa evolução, mas parece que está ficando cada vez mais complicado de aprender coisas novas e passar para o próximo degrau. Mas é claro que eu não desistirei!

Valeu!

Alan Matos
posted on 12 de março de 2015 Responder

Muito obrigado Marcio!! Todos passamos por essa estagnação em um momento… Aí é o momento de aprofundar o conhecimento e conhecer a fundo todas as ferramentas para alcançar o próximo degrau!! Continue estudando que com certeza você irá alcançar seus objetivos!! Abraço!!

Arnaldo
posted on 12 de março de 2015 Responder

faltou colocar uma imagem do autor Alan Mattos.
Parabéns Alan, pois uma coisa é saber fazer e outra é saber ensinar, quando consegue fazer as 2 coisas bem feitas, na minha opinião fica tudo completo. Quem ensina tem a humildade de aprender também..
grande abraço e mais uma vez meus parabéns

Alan Matos
posted on 12 de março de 2015 Responder

Muito obrigado Arnaldo!!! Agradeço muito pelas palavras!! Abração!!

Fernando
posted on 12 de março de 2015 Responder

Parabéns por este artigo Alan, muito bom o assunto abordado.
Sucesso.

abraço

Alan Matos
posted on 12 de março de 2015 Responder

Muito obrigado Fernando!!! Abraço!!!!

Eder Magnani
posted on 12 de março de 2015 Responder

Alan,
Você está desencadeando em muitos tudo o que estava ‘travado’ em relação a imagens 3d. Ajudando e compartilhando seus conhecimentos! Isso irá nos tornar melhores cada vez mais e tenha certeza que você, ao compartilhar está crescendo muito também, pela humildade e apoio. Parabéns! Torço por você pelo seu ótimo profissionalismo, didática e pela pessoa que é. Abraços!

Alan Matos
posted on 12 de março de 2015 Responder

Muito obrigado Eder!! Você foi o primeiro aluno da Dolmen Treinamentos e fico muito feliz e ver a sua evolução nesse longo caminho de estudos!!! Sem dúvida que ensina, aprende muito e fico muito feliz em poder crescer junto com todos vocês!!! Abração!!

edermagnani
posted on 13 de março de 2015 Responder

Maravilha!!!
Abraço meu caro… crescendo junto sempre!

Daniel A.Chambella
posted on 12 de março de 2015 Responder

Sensacional seu artigo meu camarada, esse é um assunto que gera muitas dúvidas no mercado de ilustrações 3D.
Hoje sem dúvida meu olhar ficou mais crítico e apurado para observar as entrelinhas das imagens, extraindo o máximo de informações para alcançar o realismo nas minhas imagens!

Alan Matos
posted on 12 de março de 2015 Responder

Muito obrigado Daniel!!! Sem dúvida é um dos assuntos que mais geram dúvidas!! Fico feliz em ajudar!! Abração!!

dimas
posted on 24 de março de 2015 Responder

se eu tenho algo pra dizer, ” tenho sim,rs” fiz muitas pesquisas na internet atrás de cursos, graças a DEUS achei o alan matos, até hoje fico muito agradecido pelo que ele faz pela gente, além de um grande profissional, tem um talento enorme para nos ajudar em tudo que precisamos,
parabéns por esse esforço, pois não é só dinheiro que é o importante, mas o caráter de um grande profissional.
valeu

Alan Matos
posted on 24 de março de 2015 Responder

Opa!!! Muito obrigado mesmo pelas palavras Dimas!!!! Abração!!!

danielbachega
posted on 5 de abril de 2015 Responder

Alan excelente artigo. Sempre inovando, deixando claro e óbvio o quão excelente profissional, por todos trabalhos executados. E vai além, passando conhecimento em suas fantásticas aulas. Posso afirmar que é um excelente profissional, parabéns por todos seus trabalhos. Abraço

joelson
posted on 8 de abril de 2016 Responder

Realmente esta e a sequencia dos guros e que otmiza muito tempo de trabalho..
Muito Obrigado pelas dicas

Deixe um comentário para joelson Cancel reply

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *